Reajustes nos preços dos combustíveis não miram o lucro, diz gerente-executivo da Petrobras

O gerente-executivo de estratégia da Petrobras, Rafael Chaves, disse que, ao reajustar os preços dos combustíveis, a estatal “não mira o lucro, e sim o abastecimento” do país.
“Os preços da Petrobras são os preços de mercado”, afirmou o executivo, em evento na Firjan, ao comentar que o respeito à paridade internacional é importante para que o país continue a ser abastecido por importações.
Ao falar sobre a estratégia da petroleira para o longo prazo, Chaves afirmou que a Petrobras vai acelerar a produção do pré-sal. A empresa, segundo ele, se prepara para ser a produtora com o barril com menor pegada de carbono no médio prazo.
“O pre-sal é um tesouro enterrado… Precisamos explorar o pré-sal rápido. O pré-sal é ganha-ganha, gera emprego, royalties e participações especiais, tributo e valor para a Petrobras. A Petrobras é a melhor empresa do mundo em águas profundas e vai produzir mais do que já produziu em toda sua história [nas próximas décadas]”, afirmou.
O executivo comentou que a Petrobras fará uma transição energética responsável. “Em Brasília ninguém pergunta sobre transição energética, quer saber sobre preços”, disse.
Chaves disse que gestões passadas da companhia “erraram na mão” na alavancagem financeira e nos investimentos da empresa, mas que a petroleira está hoje “saneada”, pronta para retomar “com alegria” os investimentos e aumentar a distribuição de dividendos.
A estatal tem planos de investir US$ 68 bilhões entre 2022-2026.
Chaves lembrou que, no passado recente, a companhia chegou a pagar o equivalente a quatro refinarias por ano em juros da dívida.
“O banco empresta dinheiro e vai te cobrar juros e principal não importa o que aconteça… e a Petrobras, no passado, estava sufocada com o seu balanço financeiro”, comentou.

Fonte
FeCombustíveis
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar