Membros da Opep+ se alinham para endossar corte na produção de petróleo após alegação dos EUA de coerção

Os Estados membros da Opep+ se alinharam neste domingo para endossar um forte corte na produção de petróleo acordado neste mês depois que a Casa Branca, intensificando uma guerra de palavras, afirmou que a Arábia Saudita havia pressionado outras nações a se aliarem à medida.

O Iraque, segundo maior exportador da Opep, disse que a decisão foi baseada em indicadores econômicos e tomada por unanimidade.

“Há total consenso entre os países da Opep+ de que a melhor abordagem para lidar com as condições do mercado de petróleo durante o atual período de incerteza e falta de clareza é uma abordagem preventiva que apoie a estabilidade do mercado e forneça ao futuro a orientação necessária”, disse a empresa estatal de petróleo do Iraque SOMO em comunicado.

Omã e Bahrein também disseram em declarações separadas que a Opep+ – que inclui outros grandes produtores, principalmente a Rússia – foi unânime em decidir sobre a redução de 2 milhões de barris de petróleo por dia.

O ministro de Energia da Argélia chamou a decisão de 5 de outubro de “histórica”. Ele e o secretário-geral da Opep, Haitham Al Ghais, atualmente visitando a Argélia, expressaram sua total confiança na proposta, segundo a TV Ennahar da Argélia.

O corte ocorre apesar dos mercados de petróleo estarem apertados, com os estoques de importantes economias em níveis mais baixos do que quando a Opep cortou a produção no passado.

Fonte
MoneyTimes
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar