Iraque quer que OPEP aprove maiores exportações de petróleo

O Iraque espera que a OPEP+ permita aumentar suas exportações de petróleo a partir do próximo ano, informou a Reuters hoje, citando a nova agência estatal iraquiana INA, que citou o ministro do petróleo do país sem maiores detalhes.

O ministério do petróleo do Iraque negou a alegação .

No início deste mês, houve outro relatório do INA que dizia que o Iraque estava buscando uma isenção dos cortes de produção da OPEP. O ministro do Petróleo, Ihsan Abdul Jabbar, negou a informação logo depois.

O Iraque tem lutado para reduzir sua produção à cota alocada pela OPEP + para reequilibrar os mercados de petróleo. Na verdade, por dois dos cinco meses desde o início dos cortes, ele produziu consideravelmente.

Isso levou o líder da OPEP, Arábia Saudita, a adotar uma postura mais severa: o Reino ameaçou o Iraque e a Nigéria, que ficava mais atrasada, com outra ofensiva de toque aberto se eles não se alinhassem. De acordo com as últimas informações de produção , o Iraque sim. Em agosto, o número dois da OPEP bombeou menos do que sua cota ao compensar a superprodução nos três meses anteriores. De acordo com o último Relatório Mensal do Mercado de Petróleo da OPEP, a produção do Iraque em agosto caiu 100.000 bpd em julho, para 3,652 milhões de bpd, com base em dados de fontes secundárias.

No entanto, as receitas do petróleo são vitais para a economia do Iraque em dificuldades, que ainda tem um longo caminho a percorrer antes de se recuperar da guerra contra o Estado Islâmico. Isso fez com que o Iraque relutasse em aderir à mais recente campanha de corte de produção. Portanto, mesmo que o país esteja oficialmente rebocando a linha do partido, certamente precisaria de um fôlego. Infelizmente, é improvável que haja um, especialmente agora que a Líbia está retomando a produção em vários campos, prevendo um aumento de produção de mais de 160.000 bpd até o final deste mês.

Na verdade, em meio à perspectiva de deterioração da demanda por petróleo, a OPEP + pode considerar manter os cortes de produção no nível atual de 7,7 milhões de bpd, em vez de relaxá-los em mais 2 milhões de bpd a partir de janeiro do próximo ano.

Fonte
O Petróleo
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar