Houthis avançam sobre província rica em petróleo no Iêmen

A força dos houthis iemenitas está avançando em direção à província de Shabwah, rica em petróleo do país, informou o Fars News do Irã neste fim de semana, acrescentando que o avanço foi uma tentativa “de sufocar o fornecimento de armas e novos combatentes à coalizão liderada pela Arábia Saudita e seus mercenários . “

Os combates no Iêmen já duram seis anos, depois que os Houthis filiados ao Irã derrubaram o presidente eleito, o que levou a Arábia Saudita – sua aliada – a declarar guerra ao grupo rebelde. Em resposta, os Houthis fizeram das instalações de petróleo da Arábia Saudita seu alvo preferido de ataques.

A maior parte do país, que está sofrendo uma das piores crises humanitárias da história, está atualmente sob o controle dos Houthis, e as forças apoiadas pelos sauditas estão perdendo mais terreno. Atualmente, alguns dos combates mais intensos estão em andamento em outra província rica em petróleo, Marib, no norte do Iêmen. Se os Houthis capturarem Marib, eles estarão no controle do norte do Iêmen. Alguns membros do governo eleito do Iêmen atribuem esses acontecimentos à retirada dos Estados Unidos da coalizão liderada pelos sauditas contra os houthis.

Enquanto isso, um desastre ambiental está esperando para acontecer na costa do país devastado pela guerra. Um petroleiro convertido em navio de armazenamento e descarga é uma preocupação especial , pois contém cerca de um milhão de barris de petróleo bruto. A embarcação está parada na costa do Iêmen desde o início da guerra em 2015, e a manutenção está tão atrasada que não é mais possível, com o risco de explosão ou vazamento aumentando continuamente, segundo especialistas.

Outro petroleiro abandonado derramou combustível no Golfo de Aden na semana passada, de acordo com um relatório da AFP , ao afundar. O Dia estava parado em 2014, ainda carregado com diesel na época. Embora não esteja claro quanto diesel exatamente o navio tinha quando afundou, o vazamento se espalhou por cerca de 20 km ao longo da costa, de acordo com o relatório da AFP.

Fonte
OilPrice
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar