Entidade defende importação de biodiesel após redução da mistura

Para o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) o abastecimento, a preços competitivos, do mercado brasileiro de combustíveis é uma prioridade máxima, sempre dentro de uma visão estratégica e sistêmica que contempla sua complexa dinâmica e a relação entre os diversos agentes econômicos. “Apoiamos a presença dos biocombustíveis na matriz brasileira e entendemos que o biodiesel é um elemento muito importante por sua estreita ligação com a atividade econômica do país”, disse o IBP, em nota.

A entidade diz que no leilão L76, realizado esta semana, mantiveram-se algumas assimetrias no modelo de aquisição de biodiesel. Para o IBP, “é inegável que existe um desequilíbrio entre a oferta e a demanda, que precisa ser resolvido no curto prazo, diminuindo o percentual de mistura obrigatória e permitindo a importação, sob pena de comprometer a segurança do abastecimento nacional e os interesses do consumidor”.

O IBP entende que há espaço para se repensar o formato atual dos leilões, garantindo maior liberdade de comercialização entre os agentes e possibilitando que o mercado regule oferta e demanda, bem como revendo outros aspectos tributários e regulatórios, inclusive considerando o futuro cenário de desinvestimento da Petrobras em refino e entrada de novos agentes.

Outros formatos de comercialização de biodiesel mais aderentes ao novo contexto do downstream; a adoção de um mercado aberto, a exemplo do que já ocorre com o etanol; e o estímulo à adoção de novos processos produtivos e tecnologias, como o diesel verde, são opções que precisam ser colocadas na mesa, para que os agentes da cadeia de valor possam ter mais liberdade de escolha.

Fonte
BiodieselBR
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar