Após recorde, Brasil tem queda na produção de petróleo em 2021, diz ANP

A produção média anual de petróleo do Brasil ficou em 2,905 milhões de barris/dia em 2021, queda de 1,18% ante o recorde de 2020. O crescimento da extração de novos campos do pré-sal foram insuficientes para compensar a diminuição no bombeamento nas áreas maduras, muitas delas no pós-sal,
informou nesta quinta-feira (3) a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Além disso, o campo de Tupi —o maior do país e situado na região pioneira no pré-sal— registrou queda de 5,5% na produção de petróleo em 2021 comparado a 2020. Foram 901 mil barris por dia, conforme os dados da agência.

Já a produção de gás natural do país em 2021 foi recorde, tendo atingido média anual 134 milhões de metros cúbicos/dia, superando em 5% a marca de 2020.

A produção do pré-sal em 2021 superou a de 2020 em 5,65%, somando 2,711 milhões de barris de óleo equivalente ao dia (boed). Já a produção do pós-sal ficou em 21,5%, com 806 mil boed extraídos em 2021, 15,25% inferior a 2020. A produção terrestre, representou 6,1% do total produzido no país, segundo a ANP, com pouco mais de 200 mil boed.

Aumento no Campo de Tupi

Apesar da queda, o Campo de Tupi, na Bacia de Santos, foi responsável por 31,01% da produção nacional de petróleo em barris/dia.

Em 2021, a produção de petróleo do campo de Búzios, também no pré-sal, aumentou 7,17% em relação a 2020, representando 14,26% da produção nacional, tendo um acréscimo de 3,24 pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Em 2021, o Estado do Rio de Janeiro ampliou a sua participação na produção nacional de petróleo em 1,3 ponto percentual em relação a 2020, respondendo por 80,6%, seguido por São Paulo (9,4%) e Espírito Santo (7,3%), entre outros.

A ANP havia publicado no mês passado os dados da produção de petróleo de dezembro, que subiram 4% ante o mesmo mês de 2020.

Fonte
FeCombustíveis
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar