Alta do diesel nos EUA e UE traz risco de recessão global

O aumento dos preços do diesel está impulsionando a inflação antes do inverno e elevando a perspectiva de interrupções na oferta, particularmente na União Europeia, que começará a impor seu embargo ao petróleo e petroquímicos russos em fevereiro de 2023.

Nos EUA, os estoques estão perigosamente baixos antes da temporada de inverno, bem como em Amsterdam-Rotterdam-Antwerp, o centro comercial de petróleo do noroeste da Europa.

No início desta semana, o preço do diesel de referência da Europa se aproximou de US$ 180 o barril. Nos EUA, os preços na Califórnia ultrapassaram US$ 190, enquanto no porto de New York estacam perto de US$ 170.

O preço médio dos EUA para o principal combustível do transporte de caminhões subiu 40 centavos, para US$ 5,224 por galão, para a semana de 10 de outubro, interrompendo uma série de 15 semanas de declínios e com o maior aumento desde que a Rússia invadiu a Ucrânia.

O diesel mais caro (US$ 6,49 por galão) é encontrado na Califórnia e o mais barato nas regiões da Costa do Golfo (US$ 4,90) e do baixo Atlântico (US$ 5,06).

A Europa já enfrenta uma escassez de diesel, pois evita combustíveis russos antes do embargo e o fornecimento global de diesel permanece limitado. Isso contribuiu para os temores de destruição da demanda por preços excessivos, mas também reforçou os temores de uma recessão devido à crise dos combustíveis.

Nas últimas semanas, a Administração Biden puniu executivos de refino de petróleo por baixos estoques de diesel, e está estudando limitar a exportação e fixar níveis mínimos de armazenamento do produto.

É uma reviravolta um tanto irônica que o petróleo russo não vai literalmente parar de fluir para a Europa, o que quer que a Europa faça para parar esse fluxo, mesmo que pague um preço muito alto. Como já evidenciado pelos fluxos de combustível da Índia para a Europa, os países não tem problemas com produtos refinados russos, desde que não venham da própria Rússia.

Isso provavelmente continuará acontecendo porque quaisquer jogos geopolíticos que estão sendo jogados, a demanda física por produtos petrolíferos permanecerá robusta até que os preços se tornem proibitivos.

A destruição da demanda também não acontecerá da noite para o dia. Um caso em questão é a França, onde greves paralisaram mais da metade da capacidade de refino do país, e ainda assim as pessoas estão na fila para encher seus tanques.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar